Publicado em: 24/11/2016 09h43 - Atualizado em 25/11/2016 20h12

2016 ainda não acabou

Marcelo Veras
Uma das coisas que mais me irrita em algumas conversas que ando tendo é quando eu ouço a seguinte frase: "Pois é, 2016 já era. Não dá para fazer mais nada". Em alguns casos, quando tenho mais intimidade, até respondo: "Como assim? Isso é discurso de comodista! Vamos lá ainda temos "X" dias em 2016. Mexa-se!". Quando não tenho esse nível de intimidade, esboço aquele sorriso amarelo e fico calado.
É engraçado, para não dizer lamentável, como tem gente que desiste fácil das coisas e aproveita qualquer desculpa para tirar o pé do acelerador. A persistência é uma característica básica dos vencedores e disso não tenho a menor dúvida. E ela definitivamente não foi muito democratizada. A facilidade com que algumas pessoas jogam a toalha me espanta. E isso se mostra nos mínimos detalhes, como dizer que a partir de 15 de novembro um ano acabou e nada mais acontece.
Conheço pessoas que perderam o emprego, que estão na batalha da recolocação e que, pasmem, de agora até final de janeiro tiram o pé do acelerador porque acreditam que nada acontece nesse período. Outras, esquecem a Educação continuada e param de estudar porque nessa época "ninguém faz nada". É como se as coisas boas tivessem a sua temporada para acontecerem. Será mesmo que o mundo tem essa agenda? Não, não tem! Sim, algumas coisas esfriam nessa época do ano, mas dizer que tudo para de acontecer é um grande mito. Na minha visão, essa postura é falta de duas coisas: Objetivos claros e convicção forte.
Quem sabe (realmente) o que quer da vida, da carreira e das finanças pessoais, não entra nessa manada que usa desculpas para "dar um tempo". E quem tem convicção forte também não cai nessa e segue mantendo a "sua" agenda de trabalho, de estudos, de contatos, enfim, de luta.
Pela enésima vez vou usar essa frase aqui: "Em terra de cego, quem tem um olho é rei". Portanto já que a maioria tira o pé do acelerador de dezembro até final de janeiro (alguns até depois do carnaval), que tal você inverter o processo e duplicar seus esforços nessa época? Olha que legal - você dando o dobro enquanto os outros dão a metade? Para mim, a conta fica linda. Todo mundo em casa esperando o "ano começar" e eu duplicando o meu esforço para conseguir o meu objetivo.
E tem mais, estamos em um momento de retomada da economia. Todas as empresas enxugaram tanto que estão com seus quadros muito enxutos. A hora de se apresentar é agora. Qualquer "espirro" positivo da economia as empresas voltam a contratar. E você deve estar lá, a postos, enquanto a manada come o peru de Natal e desenha a fantasia de carnaval.
E aí? Topa fazer essa experiência? Que tal você esquecer essa história de que dezembro e janeiro são meses mortos, arregaçar as mangas e duplicar tudo o que você está fazendo em busca do seu objetivo? Se não der certo, pelo menos você tentou. Se funcionar, pode me enviar um e-mail com a sua história que eu a conto aqui para inspirar mais pessoas a saírem dessa manada de conformistas. Até o próximo!
*Marcelo Veras é presidente da Inova Business School e especialista em Gestão de Carreiras

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Filmes em cartaz
  • JACK REACHER - SEM RETORNO
  • ELIS
  • A CHEGADA
  • ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM
  • MASHA E O URSO
  • DOUTOR ESTRANHO
  • TROLLS
  • É FADA
  • KÓBLIC