Publicado em: 26/06/2017 15h43 - Atualizado em 26/06/2017 20h57

Diante de medidas extremas, a solução surge na força da reação

* Por Norman de Paula Arruda Filho
Assisti, acredito eu, tão estupefato quanto todo o mundo, ao anúncio do presidente americano Donald Trump sobre a saída dos Estados Unidos do acordo climático de Paris. Menos de dois anos depois daquele encontro no qual tive a honra de estar presente e que ficou conhecido como uma virada histórica na meta de reduzir o ritmo do aquecimento global, nos deparamos com o contrassenso de um líder que rejeita a posição mundial de alerta para a mudança nas políticas de emissão de gases poluentes.
Perplexos, nos deparamos com mais uma atitude extremista e maquiada pelo discurso nacionalista de Trump, porém são nas respostas que vemos um contra movimento muito maior se formar. No âmbito político já é possível vê-lo perder na própria casa. Enaltecendo a vantagem do Federalismo, governadores e prefeitos reforçaram seu posicionamento contra a decisão da Casa Branca. Entre o grupo de 12 governadores que assinaram um manifesto de boicote à saída do acordo sobre o clima, a Califórnia, já conhecida como polo das novas tecnologias, não só anunciou que vai reforçar as medidas para garantir o investimento em energia limpa, como fechou um acordo com o Ministério da Ciência e Tecnologia da China para desenvolvimento e comercialização de inteligência sobre captura e armazenamento de carbono, energia limpa e tecnologia avançada.
No viés empresarial, o Walmart, maior grupo varejista multinacional estadunidense, reforçou a decisão de não comprar de produtores que apoiam as novas políticas ambientais de Trump. Se a popularidade já não era seu ponto forte, mais uma vez as ruas de Nova York e Washington ficaram repletas de manifestantes que esbravejavam palavras de repúdio e insatisfação com a decisão do Presidente. Como se isso não bastasse para demonstrar o descontentamento geral, pasmem! Emana nesse movimento mesmo as grandes companhias do setor de energia como ExxonMobil, Chevron, Shell que se colocam a favor da mudança proposta pelo Acordo de Paris.
Decisões extremas de um líder imediatista, dotado de um senso particular de inoportunidade e acentuada falta de habilidade política. Trump mais uma vez mostrou não se importar com a maturação do seu governo, antes mesmo de tomar medidas extremas que chocam o mundo e provocam reações também "fora de casa". Sim, nas outras nações o movimento de resposta foi rápido, quase instantâneo. Aproveitando o ensejo, a China anunciou a redução de suas termoelétricas ao passo que vai investir nos não poluidores, como usinas nucleares. Houve também pronunciamentos de líderes da França, Alemanha e Inglaterra.
O recado da ONU foi dado ainda dias antes do pronunciamento de Trump. O Secretário-geral, António Guterres, reforçou o futuro cinzento que aguarda aqueles que que não se unirem a economia verde. Após a declaração do presidente, Guterres se manteve tranquilo ao afirmar que o acordo não está totalmente perdido, já que é possível fazer parcerias com os estados americanos, independentes nesse sentido. Ao avaliar todo o movimento que parece se estruturar, o futuro do líder americano será cinzento e solitário.
Como defensor ativo do desenvolvimento sustentável, à frente da presidência de uma escola de negócios há mais de vinte anos, e presidente do Capítulo Brasileiro do PRME da ONU, ressalto o papel fundamental das instituições de ensino em formar alunos com uma nova visão mundial. É preciso entregar ao mundo não somente líderes, mas cidadãos que saibam associar competências técnicas à valores e que possuam uma visão voltada para o compromisso com as futuras gerações, empenhados em tornar o mundo mais justo, ético e ambientalmente responsável.
Para usar dos clichês e lembrar que toda ação tem uma reação de igual ou maior intensidade, espero que a resposta do mundo diante de tal atitude do governo americano seja muito mais forte e significativa, como uma onda na qual mesmo aqueles que não desejam nadar, acabam levados pela corrente do bem. E que essa voz nacionalista reacionária seja abafada por um movimento global unificado em prol de mudanças positivas para o futuro das novas gerações.
*Norman de Paula Arruda Filho é presidente do ISAE Escola de Negócios e do Capítulo Brasileiro do PRME (Princípios para Educação Executiva Responsável), da ONU. Também é doutor em Gestão Aplicada pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), de Portugal e coordenao Comitê de Sustentabilidade Empresarial da Associação Comercial do Paraná (ACP)

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Filmes em cartaz
  • O CÍRCULO
  • MEUS 15 ANOS
  • BAYWATCH - S.O.S MALIBU
  • UM TIO QUASE PERFEITO
  • A MÚMIA
  • TUDO E TODAS AS COISAS
  •  MULHER MARAVILHA
  • PIRATAS DO CARIBE: A VINGANÇA DE SALAZAR
  • O JARDIM DAS AFLIÇÕES (CINECLUBE)