Publicado em: 11/08/2017 18h55 - Atualizado em 11/08/2017 22h40

Indaiatuba lidera índice de gestão de excelência

Firjan aponta ainda que a cidade ocupa o terceiro lugar no Estado e é a oitava no ranking nacional

Da Redação
Werner Münchow O índice analisou as contas de 4,5 mil prefeituras, com base em resultados fiscais
O Índice de Gestão Fiscal da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) colocou Indaiatuba em terceiro lugar no estado de São Paulo, no quesito eficiência de gestão. O balanço foi divulgado pela entidade na última quinta-feira, e aponta ainda que o município é o único da Região Metropolitana de Campinas (RMC) a ser classificado como gestão de excelência, com 0,83 pontos, o que garantiu a oitava posição no ranking nacional.
No estudo divulgado, a Firjan analisou as contas de 4.544 prefeituras, durante o ano de 2016, representando 81,6% das cidades brasileiras, tendo como base os resultados fiscais das próprias administrações públicas, mediante informações de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).
Os resultados mostraram que o nível de investimento dos municípios brasileiros atingiu o menor patamar em dez anos, e reforçam a extensão e a profundidade da crise fiscal brasileira, sem deixar dúvidas de que não está restrita à União e aos estados.
Pelos índices apresentados, 2016 registrou o maior percentual de prefeituras em situação difícil, avaliadas como gestões em dificuldades, e com o menor número em situação excelente, classificadas como gestão de excelência, desde o início da série histórica do IFGF.
Nesta edição apenas 13 municípios alcançaram a mais alta classificação no Índice Firjan de Gestão Fiscal. Seguindo a ordem do ranking, as maiores notas foram: Gavião Peixoto (SP); São Gonçalo do Amarante (CE); Bombinhas (SC); São Pedro (SP); Balneário Camboriú (SC); Niterói (RJ); Cláudia (MT); Indaiatuba (SP); São Sebastião (SP) e Ilhabela (SP); Joaçaba (SC); São José do Hortêncio (RS) e Costa Rica (MS).
A análise dos dados disponibilizados pela STN mostrou ainda que as prefeituras que conseguiram manter o alto padrão de administração das contas públicas em meio à crise têm boa capacidade de geração de receita própria, por isso dependem pouco do governo federal.
Por outro lado, 3.905 prefeituras obtiveram avaliação negativa no índice. A Região Nordeste concentrou o maior percentual de municípios nesta situação (94,9%). Já as cidades com boa situação fiscal se concentraram nas regiões Centro-
Oeste (26,1%) e Sul (24,7%).
O prefeito Nilson Gaspar (PMDB) comemorou a notícia e reforçou que os resultados confirmam que Indaiatuba é uma das poucas cidades brasileiras que está conseguindo manter o alto padrão de administração das contas públicas em meio a uma das piores crises econômicas enfrentadas pelo País.
"A continuidade que estamos dando aos investimentos no desenvolvimento da cidade está documentado em um estudo feito por uma instituição de alta credibilidade como a Firjan", pontua o prefeito.

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Filmes em cartaz
  • VALERIAN E A CIDADE DOS MIL PLANETAS
  • MALASARTES E O DUELO COM A MORTE
  • O REINO GELADO - FOGO E GELO
  • PLANETA DOS MACACOS: A GUERRA
  • O FILME DA MINHA VIDA
  • DUNKIRK
  • EM RITMO DE FUGA
  • TRANSFORMERS: O ÚLTIMO CAVALEIRO
  • CINECLUBE - FRANTZ
  • CARROS 3
  • D.P.A - DETETIVES DO PRÉDIO AZUL
  • HOMEM-ARANHA: DE VOLTA AO LAR
  • MEU MALVADO FAVORITO 3