Publicado em: 18/09/2017 15h58 - Atualizado em 18/09/2017 20h33

Conselhos para o Jovem Empreendedor

* Por Gabriel Rossi
Qual a idade ideal para começar a empreender? Maturidade é a métrica e isso varia. Sendo assim, é possível afirmar que não exista uma fase certa para lançar-se neste universo.
O meu conselho é para que empreendam quando tiverem conhecimento plausível sobre o mercado, assim como capacidade de tomar decisões frias e racionais. O jovem empreendedor sério é caracterizado pela vontade de sempre aprender, estamina e essência vencedoras. Esses são os alicerces sine qua non para quem deseja prosperar, principalmente quando a conjuntura é desafiadora.
Cinco dicas importantes para quem está iniciando na vida do empreendedorismo:
1) Cuidado com a falta de construção da marca: há a impressão que criar uma marca forte é algo complexo demais para ser desenvolvido, porque a estratégia precisa ser bem estruturada. A marca funciona como atalho para o consumidor e ela é o maior patrimônio de qualquer empresa perene.
2) Glamour: muitos inovadores mambembe pensam que apenas uma ideia é suficiente para criar uma empresa. Outro erro grave. É essencial colocar a mão na massa, tomar a frente do negócio, batalhar. O trabalho em uma startup é tão árduo quanto em qualquer outra empresa. Arregaçar as mangas é fundamental. Egos também devem ser deixados de lado. Brigas entre fundadores são comuns. Portanto, escolher o sócio correto - com objetivos similares - é fundamental. Depois do "casamento", a separação entre sócios só gera dificuldades.
3) Momento errado para lançar: o empreendedor deve saber o exato momento de lançar sua marca e produto. A ideia pode ser boa e o dinheiro pode estar no caixa, mas é essencial não perder a oportunidade de entrar no mercado. Se o momento está conturbado - com a economia do país em baixa, por exemplo -, vale esperar ou tirar vantagem disso?
4) Desconhecimento do mercado: já é um "mantra" do marketing o fato de ser fundamental antecipar a necessidade do consumidor. Mas isso é impossível diante do desconhecimento do mercado. Só se conhece a futura necessidade do consumidor com estudo completo sobre a área que a startup está ingressando. E os estudos devem ser profundos.
5) Falta de público-alvo: é preciso decidir qual público atingir, estudar suas características e conhecê-lo a fundo. Com este perfil em mãos, o empreendedor não apenas saberá com quem está falando, mas como e o que falar e por quais ferramentas. Geralmente uma startup nasce de uma ideia - e o mentor dela não se preocupa com quem "falar". É preciso focar em determinado públicos.
Os alicerces fundamentais para a sobrevivência de qualquer negócio são os seguintes: lucratividade, confiança do consumidor, crescimento e proteção aos riscos. Diluir as associações positivas de qualquer marca é um ato de suicídio. No cenário de hoje, é ilógico e arriscado as marcas mentirem para seus clientes.
Mais do que um momento de desafio, tratar a economia atual como uma oportunidade é ter uma visão positiva, mas também real. Tradicionalmente, o setor de beleza não sofre grande impacto com incertezas econômicas. São produtos menos duráveis e por isso os consumidores precisam repor constantemente, o que acaba energizando o setor continuamente.
O setor de saúde, por questões estruturais, também vislumbra boas perspectivas de crescimento no longo prazo. Isso acontece porque o envelhecimento da população aumenta a demanda por esse serviço. O ramo da educação é outro que mostra resiliência. Investimentos são atraídos para esse segmento, pois ele exige um aporte inicial preponderantemente baixo se comparado com setores como o da construção civil.
Ademais, em tempos de economia colaborativa, vencerão os empreendedores criativos que pensarem em produtos e serviços que possam ser compartilhados, tenham durabilidade e se fortaleçam com as comunidades digitais.
Lembre-se de que o novo consumidor não se preocupa mais em ser dono das coisas, mas ter acesso às coisas. A tendência veio para ficar, especialmente porque é regida por três grandes forças: social (as pessoas compartilham mais, por exemplo), econômica (escassez de recursos) e tecnológica (ascensão de uma geração que cresceu com a internet e se conecta com outras pessoas em proporções muito maiores do que antes).
Empreender no Brasil é duríssimo, mas é possível. Foque em janelas ao invés de espelhos.
*Gabriel Rossi é
Diretor da Gabriel Rossi
Consultoria de Marketing e
Professor da ESPM

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Vídeos
Filmes em cartaz
  • FEITO NA AMÉRICA
  • AMITYVILLE: O DESPERTAR
  • O QUE SERÁ DE NOZES? 2
  • IT - A COISA
  • EM DEFESA DE CRISTO
  • COMO NOSSOS PAIS
  • POLÍCIA FEDERAL - A LEI É PARA TODOS
  • LINO - UMA AVENTURA DE SETE VIDAS
  • EMOJI - O FILME
  • ATÔMICA