Publicado em: 03/11/2017 09h10 - Atualizado em 03/11/2017 15h42

Murilo Rosa encarna o Diabo em comédia

Fábio Alexandre
Divulgação Murilo Rosa é o Diabo, que decide fundar sua própria igreja
Machado de Assis, um dos maiores escritores brasileiros, escreveu o conto A Igreja do Diabo, um texto extremamente rico em diálogos envolventes e repleto de argumentos entre Deus e o Diabo, mas com suas limitações por ser um conto. Uma adaptação deste texto não faria mal, desde que bem feita. Infelizmente, esse não é o caso de A Comédia Divina.
O filme tem a mesma ideia do conto de Machado de Assis: relatar a história da fundação da Igreja do Diabo na Terra. O Diabo (Murilo Rosa, de A Menina Índigo), sofrendo com seu marketing e vendo a fé cristã aumentando cada vez mais, decide fundar uma Igreja e atrair fiéis. O que parecia ser uma ideia genial, já que bateria de frente com a própria ideia do Cristianismo, começa muito bem, mas de boas intenções o inferno está cheio.
Dirigido por Toni Venturi (Cabra-Cega) e com roteiro escrito por José Roberto Torero (Memórias Póstumas de Brás Cubas), o filme erra feio em tudo. O título já diz ao que o filme veio: tentar ser uma comédia, mas seu ar de programa humorístico global com piadinhas infames e fora de tom não funciona em nenhum momento. As atuações de Monica Iozzi, Murilo Rosa, Zezé Motta, Dalton Vigh e Thiago Mendonça parecem ter sido feitas em apenas um take e o diretor achou que já estava bom. Mecânicos e sem sintonia alguma.
Acharam espaço até para forçar romance na história, algo tipicamente novelesco, e que claramente fica piegas e descolado da trama principal. Os efeitos visuais são um horror à parte, nem mesmo filmes da década de 50, com pouca estrutura, rendiam trabalhos tão ruins.
Ora, se havia a falta de dinheiro da produção e o intuito era investir em algo maior, faça o simples, mas bem feito, assuma suas limitações. Não dá para entender qual a ideia de se tentar fazer comédia com um texto que não tem nada de abobalhado, muito pelo contrário.
Esse é o grande problema da Globo Filmes: insistir em comédias genéricas e desgastadas, enquanto o nosso cinema precisa de muito mais que isso. Temos uma literatura vasta, mas infelizmente nosso cinema não se "aproveita" disso. O que isso significa? Que ainda estamos longe de chegar à altura de adaptar nossos livros com a dignidade que merecem.
A Comédia Divina não é Fargo, mas é uma comédia de erros. É incrível como o filme não consegue acertar em nada que tenta fazer. Atuações, roteiro, efeitos e direção, tudo é tão ruim que fazem deste o pior filme nacional do ano, algo que nem mesmo Danilo Gentili conseguiu.

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Vídeos
Filmes em cartaz
  • THOR: RAGNAROK
  • DEPOIS DAQUELA MONTANHA
  • A NOIVA
  • HISTORIETAS ASSOMBRADAS: O FILME
  • BIG PAI, BIG FILHO
  • A COMÉDIA DIVINA
  • TEMPESTADE: PLANETA EM FÚRIA
  • CINECLUBE - CAFÉ, UM DEDO DE PROSA
  • AS AVENTURAS DO CAPITÃO CUECA
  • COMO SE TORNAR O PIOR ALUNO DA ESCOLA
  • PICA-PAU