Publicado em: 11/01/2018 14h43 - Atualizado em 12/01/2018 15h37

O Destino de uma Nação

Gary Oldman se destaca como o primeiro-ministro britânico Winston Churchill

Fábio Alexandre
Divulgação Irreconhecível por debaixo de maquiagem e próteses, atuação de Gary Oldman deve lhe render o Oscar 2018
Ator indicado ao Oscar, Gary Oldman é o astro de O Destino de uma Nação, um relato inspirado nas primeiras semanas de Winston Churchill como primeiro-ministro do Reino Unido no início da 2ª Guerra Mundial. O roteiro original de Anthony McCarten - também indicado ao Oscar por A Teoria de Tudo - revela o homem por trás do ícone. O filme é uma das estreias do Topázio Cinemas.
Churchill é um brilhante e bem-humorado estadista, membro de destaque do Parlamento, mas, aos 65 anos, é pouco provável que seja candidato a primeiro-ministro. Entretanto, a situação na Europa é desesperadora. Nações aliadas continuam sendo derrotadas pelas tropas nazistas, e todo o exército britânico está isolado na França.
Ele então é nomeado ao cargo com urgência em 10 de maio de 1940. Enquanto as tropas de Hitler estão prestes a invadir o Reino Unido e 300 mil soldados britânicos encontram-se encurralados em Dunkirk, Churchill descobre que seu próprio partido planeja contra ele e o Rei George VI (Ben Mendelsohn, de Rogue One - Uma História Star Wars) não acredita que seu novo primeiro-ministro seja capaz de lidar com a situação.
Churchill se vê diante da mais terrível decisão: negociar um tratado de paz com a Alemanha nazista e salvar o povo britânico a um custo altíssimo ou continuar lutando com pouca chance de vitória.
Palavras
"Palavras mudam o mundo. Foi o que aconteceu no período de Winston Churchill, em 1940", proclama o roteirista e produtor Anthony McCarten. Os alicerces de seu roteiro original tomam como base três discursos que Churchill escreveu e pronunciou entre maio e junho de 1940. "A questão era se a Inglaterra deveria lutar sozinha e talvez sofrer a destruição de suas forças armadas ou até mesmo da nação, ou escolher a segurança de assinar um tratado com Hitler", lembra.
"Fiquei profundamente envolvido. Sempre achei que a 2ª Guerra Mundial foi o alicerce do século 20. Se a plateia de hoje se interessa por um ícone daquela época, então suas qualidades de liderança são ainda mais inspiradoras" afirma o diretor Joe Wright (Desejo e Reparação).
"Eu esperava que um ponto de vista revisionista pudesse fazer parte do projeto. Eu queria ver um ator que recalibrasse completamente a nossa ideia de quem foi Churchill, e imaginei um ator do calibre de Gary Oldman", destaca o cineasta.
O ator revela que, em um primeiro momento, refutou o convite. "Sempre fui fascinado por Churchill. Mesmo assim, não é alguém que eu pretendesse interpretar", conta. "Mas eu queria dizer aquelas palavras. Seus discursos estão entre os melhores da língua inglesa. Ele era notável porque não apelava para expressões pernósticas nem metáforas ou imagens mentais. Ele podia usar se fosse necessário, mas entendia as pessoas com quem falava diretamente, e falava de um jeito com que as palavras atingissem em cheio o coração da nação".
O Destino de uma Nação revela mais que um período histórico importante, mas também as mudanças que a própria política enfrenta. Os estadistas, cada vez mais, deixam de existir, dando espaço àqueles que acreditam única e exclusivamente em siglas ou posições políticas. Vale a pena conferir.

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Vídeos
Filmes em cartaz
  • O TOURO FERDINANDO
  • O DESTINO DE UMA NAÇÃO
  • O ESTRANGEIRO
  • JUMANJI: BEM-VINDO À SELVA
  • CINECLUBE - COM AMOR, VAN GOGH
  • FALA SÉRIO, MÃE!
  • O REI DO SHOW
  • STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI
  • EXTRAORDINÁRIO