Publicado em: 16/02/2018 14h32 - Atualizado em 19/02/2018 13h07

Rapaz encontrado em córrego morreu afogado

Apesar de laudo do IML, não está descartada a possibilidade de homicídio do jovem de MS

Adriana Brumer Lourencini
A Polícia concluiu que a morte de Hamilton Kaue Moraes Lima, de 22 anos, foi por afogamento. O corpo do jovem que veio de Campo Grande (MS) a Indaiatuba no Carnaval foi encontrado no córrego Barnabé, no dia 12 de fevereiro. Apesar da conclusão pericial, o delegado Danilo Amâncio Leme não descarta ainda a possibilidade de homicídio.
Em entrevista à Tribuna, o delegado comentou que a vítima, que era garçom e já havia encontrado emprego em um restaurante do município, havia sido visto pela última vez na noite do sábado de Carnaval. Por volta das 21h, o tio do rapaz o levou até o Barco, no Parque Ecológico, onde se encontraria com um amigo e duas garotas, para a festa de Carnaval. Todavia, o amigo de Hamilton não conseguiu encontrá-lo no local, tampouco falou com ele.
Leme disse que conversou com o tio e o amigo do jovem, e ambos contaram a mesma versão da história. O amigo de Hamilton alegou ainda que tentou chamá-lo pelo celular, mas o mesmo não foi atendido. O delegado achou estranho que ninguém tenha visto ou falado com Hamilton durante todo esse tempo, até seu corpo ter sido visto por transeuntes no córrego que passa pelo Parque.
Assim que o cadáver foi retirado da água, muitas especulações surgiram, inclusive, o fato de ele supostamente ter se envolvido em uma briga, onde foi agredido junto com outros dois rapazes. A partir daí, a Polícia Civil passou a analisar o vídeo da câmera de monitoramento do Parque, para tentar descobrir alguma evidência de homicídio. Todavia, era necessário ainda aguardar o laudo da perícia técnica.
Quebra-cabeça
O caso mobilizou a cidade, especialmente nas redes sociais. Até mesmo um vídeo se espalhou nas redes sociais, mostrando o momento de uma briga durante a festa noturna. Para o delegado, a imagem é inconsistente e não prova nada, pois, no tumulto não é possível ver se Hamilton estava entre os rapazes agredidos.
Por fim, a análise feita no Instituto Médico Legal (IML) de Campinas concluiu que Hamilton morreu por afogamento. A perícia apontou que o corpo, já em fase gasosa (inchado) e estado de putrefação, estava submerso há 24 horas. Não foram constatados traumas ou fraturas; no abdome havia muita sujeira de origem vegetal e no estômago, um líquido escurecido (provavelmente oriundos da água do córrego ingerida); a vítima ainda apresentava congestão pulmonar.
Contrariando a conclusão, Leme acredita que o corpo permaneceu na água por mais tempo, e sugere que tenha sido por 48 horas. Neste momento, o delegado aguarda o depoimento da terceira testemunha, uma mulher recém-chegada de Campo Grande, e que vivia com Hamilton.
As investigações continuam e a Polícia Civil espera ainda pela pista de alguém que tenha tido contato com o jovem durante a lacuna de tempo em que ele ficou desaparecido. O delegado espera montar o quebra-cabeça para descobrir se Hamilton caiu ou foi empurrado no lago; e considera também a possibilidade do rapaz ter se atirado na água, tentando fugir de uma possível agressão.
Policiais próximos ao corpo de Kaue (destaque), encontrado no córrego Barnabé: depoimentos e vídeos analisados  Policiais próximos ao corpo de Kaue (destaque), encontrado no córrego Barnabé: depoimentos e vídeos analisados (Crédito: Werner Münchow/Reprodução (destaque))
xxx xxx (Crédito: Reprodução)

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Filmes em cartaz
  • PANTERA NEGRA
  • CINQUENTA TONS DE LIBERDADE
  • TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME
  • VIVA: A VIDA É UMA FESTA
  • CINECLUBE - CORPO E ALMA
  • A FORMA DA ÁGUA
  • MAZE RUNNER: A CURA MORTAL
  • O TOURO FERDINANDO