Publicado em: 27/09/2018 14h42 - Atualizado em 05/10/2018 16h57

Casos suspeitos de maculosa aguardam laudo

Gêmeas já receberam tratamento na cidade e podem ter contraído a doença em outro município

Da Redação
Duas gêmeas de Indaiatuba estão com suspeita de terem adquirido febre maculosa. O Departamento de Vigilância Epidemiológica do Município está investigando o caso e aguarda o resultado das amostras colhidas.
As meninas têm 2 anos e 8 meses de idade, e no início de setembro foram a São José dos Campos (SP) para visitar a avó. Acredita-se que elas tenham contraído a doença naquele município, já que foi encontrado um carrapato-estrela em uma das crianças.
A febre maculosa é transmitida pela picada do carrapato estrela e, de acordo com a família, a menina que teve contato com o animal, a princípio, não apresentou nenhum sintoma. Todavia, a mãe delas percebeu os primeiros sinais da doença - febre e manchas no corpo - dois dias após a volta para casa, no último dia 17. Dois dias mais tarde, a outra menina também apresentou os mesmos sintomas.
As crianças foram levadas ao hospital e fizeram o tratamento com medicação em casa. A Vigilância Epidemiológica divulgou, em nota, que o caso das pacientes está dentro das notificações para febre maculosa e que, no momento, aguarda o resultado das amostras colhidas e enviadas para o Instituto Adolfo Lutz. O laudo deve ficar pronto em 30 ou 40 dias.
Protocolo
A Secretaria de Saúde informou, por meio da assessoria de imprensa, que o protocolo de atendimento orienta iniciar o tratamento imediato de todos os casos suspeitos de febre maculosa, mesmo antes de receber o resultado do exame, confirmado somente pelo Adolfo Lutz. Todas as unidades de pronto-socorro de Indaiatuba seguem esse protocolo.
Sobre o estado clínico das gêmeas, a secretaria confirma que elas concluíram o tratamento e que não foi necessário internação. Até o momento, Indaiatuba não registrou nenhum caso confirmado de febre maculosa.

Vacinação contra HPV é prorrogada

A ação de intensificação da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) foi prorrogada até o dia 19. O objetivo é vacinar meninos e meninas com idade entre 9 e 10 anos. A vacinação será feita na saída das aulas das escolas municipais. As escolas irão comunicar o dia e horário. Todas as unidades de saúde de Indaiatuba seguem com a vacinação no horário das salas de vacina.
A ação faz parte integrante do Programa Indaiatubano de Rastreamento do Câncer de Colo de Útero com teste de HPV, implantado há um ano por meio de uma parceria entre as secretarias municipais de Saúde e Educação e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
A primeira etapa da campanha não obteve uma boa adesão, abrangendo cerca de 20% do público-alvo na primeira semana. De acordo com a secretária de Saúde, Graziela Garcia, é importante a colaboração dos pais para o sucesso da campanha. "Precisamos me-
lhorar a imunização hoje para que nossas crianças estejam protegidas contra vários tipos de câncer no futuro", enfatiza.
O médico ginecologista e pesquisador da Unicamp Júlio César Teixeira explica que o foco da ação é prevenir o câncer causado pelo vírus HPV. "O papilomavirus humano está associado à formação de alguns tipos câncer, entre eles, pênis, vulva, área genial, garganta, mas, especialmente no colo do útero, que acometem 16 mil pessoas por ano no Brasil e levam 6 mil a óbito", informa. "Conseguiremos prevenir de fato essas doenças se obtivermos o mínimo de 80% da população vacinada."

Veja Também:

Comentar


Mais lidas
Vídeos
Filmes em cartaz
  • VENOM
  • PÉPEQUENO
  • UM PEQUENO FAVOR
  • O QUE DE VERDADE IMPORTA
  • CORAÇÃO DE COWBOY
  • BUSCANDO...
  • O MISTÉRIO DO RELÓGIO NA PAREDE
  • CINECLUBE - A FESTA
  • O PREDADOR
  • A FREIRA
  • OS JOVENS TITÃS EM AÇÃO! NOS CINEMAS