Quando é a hora de procurar um psicólogo?

Buscar a ajuda de um psicólogo qualificado para enfrentar um momento difícil pode ser a melhor solução para a maioria das pessoas. Mas, por conta de alguns estigmas sociais, é comum que quem mais precisa de tratamento acabe postergando-o, por conta de medo, vergonha e falta de conhecimento. “O psicólogo é o profissional especializado no comportamento humano, que busca por meio de várias técnicas, promover o autoconhecimento no indivíduo, melhorando sua qualidade de vida”, explica a Dra. Cleuza Canan, diretora da Clínica Liberty, especializada no tratamento de transtornos mentais e dependência química. Abaixo, alguns sinais que podem indicar que chegou a hora de procurar um psicólogo. Sentimentos intensosTudo que é extremo, não é benéfico para o ser humano. Pessoas que sentem tristeza, paixão, raiva ou nervosismo mais do que o normal podem acabar fazendo com que esses sentimentos atrapalhem seu dia a dia de diversas formas. Um exemplo comum é a ansiedade extrema, momento que a preocupação é tanta que é sentida em proporções intensas, causando angústias desnecessárias e colocando em risco a qualidade de vida da pessoa. O Programa Saúde Ativa da Sul América Saúde realizou uma pesquisa entre 2010 e 2013 com pessoas das gerações baby boomer, x, y e z. O estudo apontou que pessoas mais jovens estão sofrendo mais com o estresse por conta dos desafios atuais no mercado de trabalho e no mundo como um todo. Atualmente, a realidade está igual ou pior, levando em consideração a pandemia do coronavírus. Transtornos mentais, como a depressão e ansiedade, tornam-se mais graves quando a pessoa não consegue alinhar as suas expectativas com a realidade. Assim, os níveis de descontentamento aumentam, podendo prejudicar diversas áreas da vida. TraumasMorte, divórcio, desemprego e doenças graves são alguns exemplos de traumas que afetam de forma negativa a vida das pessoas. Consequentemente, podem ocorrer distanciamento, depressão, insônia e dificuldades com o trabalho ou estudo.  Além disso, quem passou por esses ou outros traumas vive com medo constante de passar pela mesma situação novamente. Sendo assim, alinhados aos outros sintomas, também podem ocorrer a sensação de desesperança, angústia e tristeza em excesso. Nesses casos, é essencial que a pessoa procure ajuda, pois a situação pode se agravar, fazendo com que o indivíduo procure alternativas para diminuir sua dor, como o suicídio e o abuso de drogas e álcool. Sintomas de doenças não diagnosticadas Há um ditado que diz: “o corpo fala”. Sendo assim, dores de cabeça constantes, gripes e resfriados que vivem aparecendo sem motivo, dores no estômago e musculares podem ser sinais de que algum problema emocional não está recebendo a devida atenção. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que o Brasil tem a maior taxa de pessoas com transtorno de ansiedade e é o quinto país em números de casos de depressão. “Dependendo do problema emocional, a pessoa pode apresentar reações físicas, como insônia, taquicardia, agitação psicomotora, alteração do apetite, tensões musculares, entre outros sintomas que são sinais de transtornos mentais, tais quais depressão e ansiedade”, explica a Dra. Cleuza Canan. Uso de válvulas de escape com frequência Diversos elementos podem ser usados como válvulas de escape. Alguns exemplos mais comuns são abuso do álcool e drogas, mas também há casos de consumo exagerado de medicamentos, comida e consumo em geral. O cérebro humano possui um sistema de recompensa. Ele é responsável por identificar estímulos que nos dão prazer. Quando ativado, o cérebro libera grandes quantidades de dopamina no organismo, substância que estimula corpo e mente a alcançar a sensação de prazer.Essa situação pode fazer com que o indivíduo desenvolva a dependência, pois, uma vez que o estímulo é gerado, apenas um pensamento pode induzi-lo a realizar novamente a ação que trouxe bem-estar. A Dra. Cleuza Canan comenta que “a dependência química requer tratamento multidisciplinar e o psicólogo é o principal profissional que pode auxiliar na mudança de comportamento do dependente e da família”. Ideias fixas e vontades incontroláveisAs ideias fixas também funcionam como formas de aliviar ou evitar sentimentos, pensamentos e sensações que a pessoa não está conseguindo lidar no momento. Elas podem ser divididas em dois grupos. As ideias obsessivas são pensamentos incômodos que mostram que a pessoa precisa realizar uma ação para que uma sensação desconfortável passe. Os atos impulsivos são quando esses pensamentos se transformam em atitudes. Ao identificar a dificuldade de controlar pensamentos e vontades, é essencial buscar a ajuda de um psicólogo. Assim, é possível evitar que o quadro evolua para o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) ou outro transtorno mental. Desinteresse em atividades que davam prazerÉ normal que, ao longo da vida, as pessoas mudem e também transformem seus hobbies e interesses. Mas, é importante analisar se atividades que traziam algum prazer de repente perderam totalmente a graça sem motivo aparente. A perda de interesse em algo está ligado com a motivação. Quando a sensação de descontentamento é constante, isso pode ser indício de algum problema emocional.O desânimo e a desmotivação podem ser causados por diversos motivos, como falta de atenção ou carinho, rotina de trabalho exaustiva e a sensação de inadequação em relação à vida.  Dessa forma, uma das consequências é a depressão, que é causada pela sensação constante de tristeza, descontentamento e desânimo. Para mais informações sobre a Clínica Liberty, basta acessar: https://clinicaliberty.com.brWebsite: https://clinicaliberty.com.br

Fonte: Metropoles