Tesouro Direto: pressionados pelo quadro fiscal, prêmios pagos pelos títulos públicos voltam a subir

(Pollyana Ventura/Getty Images)

SÃO PAULO – Após um dia de forte volatilidade, que provocou, inclusive, a suspensão dos negócios, as taxas dos títulos públicos negociados via Tesouro Direto apresentam forte alta na manhã desta terça-feira (29).
Contribui para o aumento de aversão ao risco o noticiário político, com destaque para as preocupações com o quadro fiscal em meio às negociações do Renda Cidadã, programa social que irá substituir o Bolsa Família.
Ontem, o governo federal divulgou seus planos de financiar o programa com recursos do fundo para educação básica (Fundeb) e verba de precatórios. A proposta foi considerada inconstitucional por vários órgãos da sociedade e causou grande turbulência nos mercados: na Bolsa, o Ibovespa fechou com queda de 2,41%, negociado abaixo dos 95 mil pontos, enquanto o dólar fechou em alta.
No Tribunal de Contas da União (TCU) e no Congresso, as duas propostas do governo foram vistas como uma forma de “contabilidade criativa”, mesma estratégia usada pelo governo Dilma Rousseff para melhorar o resultado fiscal do país, apontou o jornal Folha de S.Paulo.
De acordo com o site G1, o anúncio caiu tão mal no mercado financeiro que os assessores próximos do presidente Jair Bolsonaro começaram a defender uma mudança. A ideia seria abandonar a rolagem de precatórios para bancar o novo programa social, diz o portal.
Leia também:
• Renda Cidadã: saída por financiamento via rolagem de precatórios traz insegurança jurídica
Também foi mal vista a falta de clareza sobre a criação de um novo imposto sobre transações financeiras digitais aos moldes da antiga CPMF. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a ideia está sendo discutida, mas que não há consenso sobre a utilização do instrumento para compensar a desoneração da folha de pagamento.
Com isso, segundo o jornal Folha de S. Paulo, a entrega da segunda fase da proposta da reforma tributária foi adiada novamente.
Mercado hoje
No Tesouro Direto, o papel indexado à inflação com vencimento em 2026 pagava uma taxa anual de 2,93% nesta manhã, ante 2,77% a.a. na tarde de segunda-feira (28). Os prêmios pagos pelos títulos com prazos em 2035 e 2045, por sua vez, subiam de 4,08% para 4,19% ao ano.
Entre os papéis prefixados, o com vencimento em 2026 oferecia uma taxa de 7,42% ao ano, frente 7,39% a.a. anteriormente, enquanto o juro pago pelo Tesouro Prefixado com juros semestrais 2031 avançava de 7,76% para 7,86% ao ano.
No câmbio, após subir 1,48% a R$ 5,63 ontem, o dólar operava próximo da estabilidade nesta manhã, negociado a R$ 5,61.
Confira os preços e as taxas dos títulos públicos nesta terça-feira (29):
Fonte: Tesouro Direto
Quadro internacional
No exterior, as atenções recaem hoje sobre o primeiro debate eleitoral nos Estados Unidos entre o presidente Donald Trump e o candidato democrata Joe Biden.
Investidores também aguardam a aprovação de um novo pacote de estímulos econômicos nos EUA. Ontem à noite, os democratas revelaram um pacote de US$ 2,2 trilhões de estímulos, menor do que o inicialmente proposto, mas acima do que os líderes republicanos ofereceram.
Já na Europa, a libra avança em meio a especulações de que as negociações comerciais bem-sucedidas do Brexit poderiam ajudar a proteger o Reino Unido de uma ruptura confusa com a União Europeia.
Os mercados também acompanham os novos casos de coronavírus ao redor do mundo, com as mortes globais chegando agora à marca de 1 milhão de pessoas, com mais de 33 milhões de casos confirmados, segundo dados da universidade Johns Hopkins.

Fonte: InfoMoney