Bolsonaro diz a ministros que escolheu Kassio Nunes para vaga no STF

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve escolher o desembargador Kassio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), para ser o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).A informação foi revelada pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo. O Metrópoles apurou que, na manhã desta quarta-feira (30/9), o presidente comunicou a ministros que já tinha definido um magistrado para ocupar a cadeira. O nome de Kassio, contudo, causou surpresa.Mais sobre o assuntoPolíticaJuristas evangélicos oficializam apoio a nome de André Mendonça ao STFAnajure afirma, em comunicado, que o ministro da Justiça e Segurança Pública é “nome de consenso” no segmento evangélicoJustiçaDepoimento de Bolsonaro: Celso de Mello tira julgamento do plenário virtualO ministro do STF argumentou que o seu substituto, Marco Aurélio Mello, não poderia ter mais poder que ele para tomar tal iniciativaJustiçaCelso de Mello após boatos de aposentadoria por invalidez: “Foi voluntária”O ministro anunciou, nesta sexta, que vai deixar o STF antes do esperado, em 13 de outubro. Ele completa 75 anos em novembroJustiçaSTF: Celso de Mello antecipa aposentadoria para 13 de outubroO ministro completa 75 anos em novembro e, por isso, é obrigado a deixar a Corte. Ele estava de licença médica, mas voltou a trabalharNunes, que estava fora da lista de possíveis candidatos ao STF, deverá ocupar a vaga do ministro Celso de Mello, que vai deixar a Corte em 13 de outubro.Nunes se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro nessa terça-feira (29/9).Kassio Nunes Marques é natural de Teresina e tem 46 anos. Tornou-se bacharel pela Universidade Federal do Piauí e continuou os estudos em universidades na Espanha, em Portugal e na Itália. É representante do quinto constitucional da advocacia no TRF-1, tribunal que integra desde 2011.Conterrâneo do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, Kassio exercia a advocacia antes de ingressar no TRF-1, posto que ocupou a partir da indicação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).Segundo Ibaneis Rocha, o desembargador acumula em quase uma década de tribunal o respeito dos colegas. “Trata-se de um jurista de temperamento muito afável, conciliador. Ele é respeitado e admirado pelos colegas. Se esta for, de fato, a vontade do presidente, será um nome a somar muito no STF. No direito, diz-se que não se faz campanha para vagas como a de ministro do Supremo, mas quando o convite acontece, não se pode negar”, afirmou Ibaneis.

Fonte: Metropoles