Estado do Espírito Santo conta com cooperativa de agronegócios que expande seus negócios de forma segura com ajuda de firewalls de próxima geração

O estado Espírito Santo conta com uma cooperativa da área do agronegócio, a Coopeavi, que reúne 16 mil associados. Contando hoje com 37 sites (lojas) espalhados pelos estados de Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia, a Coopeavi tem se destacado pela qualidade dos serviços digitais oferecidos a seus cooperados. Aplicações de negócios suportam processos produtivos e de varejo – as lojas Coopeavi diferenciam-se por sua avançada infraestrutura tecnológica. Neste universo, o time de TI da Coopeavi tem disseminado, também, uma forte cultura de segurança digital.“Navegamos num mar tranquilo”, diz Fredy Holz, Coordenador de Sustentação da Coopeavi. Dentro dessa cooperativa, a adoção do Firewalls de Próxima Geração da SonicWall aconteceu em duas etapas: a primeira onda em 2013, a segunda implementação em 2016. “Isso contribuiu para que os processos digitais da Coopeavi fossem protegidos de ataques como phishing, ransomware, botnets”. Os 37 appliances SonicWall oferecem recursos como filtro de conteúdo Web, application control, IPS, IDS, antispyware, dynamic support e atualização, online, de firmware. No datacenter da cooperativa atua, em alta disponibilidade, o NSa 2650; no datacenter da cooperativa adquirida em 2019 – a Veneza – foi implementado o NSa 2600, também em alta disponibilidade. Antes da entrada em cena da tecnologia SonicWall, a cooperativa Veneza utilizava uma solução Linux. Nos pontos remotos a Coopeavi utiliza dispositivos SonicWall SOHO250 Wireless e Normal. O ambiente é gerenciado por meio do SonicWall GMS (Global Management System).Ao longo dos anos, nenhum ataque afetou a continuidade dos negócios da cooperativa. “O crescimento dos negócios da Coopeavi foi acompanhado por atualizações e expansões do ambiente SonicWall”, detalha Holz. “Essa infraestrutura de segurança passou de 18 para 37 pontos”. Dentro da Coopeavi a inteligência SonicWall contribui, também, para a estabilidade e a proteção de redes VPN críticas para o negócio. Cada um dos sites remotos é conectado ao datacenter da empresa, localizado em Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, por links estabelecidos a partir de Firewalls de Próxima Geração da SonicWall. “Garantimos a conectividade entre todos os pontos da nossa rede”, resume Holz. “Isso é feito com a máxima visibilidade sobre todo o ambiente; outro ganho é que, graças às VPNs, reduzimos de forma significativa os gastos com as operadoras de Telecomunicações. Tanto as comunicações de voz como de dados da Coopeavi acontecem, agora, por meio das VPNs”.A consistência do ambiente digital da Coopeavi tem sido reforçada, ainda, por ações de conscientização sobre as melhores atitudes e políticas de segurança. “A proteção contra ameaças digitais vai além do uso de tecnologias especializadas; programas educativos buscam o engajamento do usuário, algo essencial para preservar a segurança do nosso ambiente”, ensina Holz.Preocupado em contar, internamente, com as soluções e serviços necessários para proteger os negócios da Coopeavi contra ataques e invasões, Holz iniciou, em 2013, uma concorrência com diversos fornecedores para selecionar uma solução Firewall de Próxima Geração. Ao final desse processo, a SonicWall foi escolhida como fornecedora dessa infraestrutura de segurança. O contínuo crescimento dos negócios da Coopeavi levou Holz e seu time a realizar, em 2016, uma concorrência para suportar a aquisição de novas tecnologias de segurança. Nesse momento, a tecnologia SonicWall foi novamente escolhida pela Coopeavi.A jornada de segurança digital da Coopeavi tem sido suportada pela BRASP, parceiro de negócios da SonicWall Brasil. “Os profissionais da BRASP nos prestam serviços desde 2009; esse time participou do projeto e implementação da tecnologia SonicWall tanto em 2013 como em 2016”, detalha Holz. A BRASP desenhou o projeto de uso dos Firewalls de Próxima Geração SonicWall dentro da Coopeavi, implementou os appliances principais nos datacenters da cooperativa e pré-configurou os dispositivos que seriam instalados nos pontos remotos pelos profissionais de TI da Coopeavi. Hoje a BRASP atua sob demanda junto à Coopeavi, compartilhando conhecimento e serviços de segurança sempre que for necessário.Para Anselmo Sarcinelli, executivo de vendas corporativas da BRASP, a expansão dos negócios e da cultura de segurança da Coopeavi é algo palpável. “Ao longo de poucos anos, a cooperativa cresceu de forma orgânica, além de adquirir outras duas cooperativas, saltando de 18 para 37 sites – esses avanços têm sido baseados em um modelo de negócios cada vez mais digital e automatizado”. A busca pela excelência tem, na visão de Sarcinelli, norteado cada passo. “A operação da própria Coopeavi está estabilizada de forma muito consistente; nesse momento o principal objetivo é alinhar, com a ajuda da plataforma SonicWall, os sistemas da cooperativa adquirida neste ano, a Veneza, às políticas de segurança e gestão que têm contribuído para o sucesso dos negócios da Coopeavi”.

Fonte: Metropoles