Bolsonaro a apoiadores: “Tomei café com Rodrigo Maia. E daí, tô errado?”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comentou com apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (5/10), que vem tentando melhorar a relação com os outros poderes em nome da governabilidade.Em resposta a um simpatizante que reclamava sobre decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que “não deixavam o presidente governar”, Bolsonaro evitou responder, mas puxou o assunto para a reunião que teve com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) nesta manhã.“Sabe com que eu tomei café agora de manhã? Tomei café o Rodrigo Maia e daí, tô errado? Quem é que faz a pauta na Câmara? Talvez amanhã eu vou sancionar com ele, talvez Alcolumbre, a mudança no Código de Trânsito, que aumentou a validade da carteira de motorista de 5 para 10 anos e aumentou de 20 pra 40 pontos pra perder a carteira. Ajudou ou não ajudou?”, questinou o grupo.Jair Bolsonaro, Davi Alcolumbre e Rodrigo MaiaDe acordo com Alcolumbre, as sabatinas nas comissões e as votações em Plenário representam um “esforço concentrado da Casa para minimizar os impactos da pandemia no andamento da atividade legislativa”Hugo Barreto/MetropolesBolsonaro e MaiaJair Bolsonaro e Rodrigo MaiaHugo Barreto/MetropolesJair Bolsonaro e Rodrigo MaiaHugo Barreto/MetropolesColetiva de imprensa com Bolsonaro, Maia e Alcolumbre2Hugo Barreto/MetropolesBolsonaro e Maia2Presidentes da República e da Câmara firmaram compromisso para conter o gasto públicoHugo Barreto/MetropolesAlcolumbre e GuedesHugo Barreto/MetropolesPaulo GuedesPaulo Guedes, ministro da EconomiaHugo Barreto/MetropolesColetiva de imprensa com Bolsonaro, Maia e AlcolumbreHugo Barreto/MetropolesColetiva de imprensa com Bolsonaro, Maia e AlcolumbreHugo Barreto/Metropoles0Orçamento de 2021Bolsonaro recebeu Rodrigo Maia e o senador Marcio Bittar (MDB-AC) para debater o orçamento do próximo ano. Sem Paulo Guedes, o chefe do Executivo estava acompanhado dos ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.Governo e Congresso vem tentando encontrar uma solução para criar o programa Renda Cidadã, que vai substituir e ampliar o Bolsa Família após o fim do auxílio emergencial, que terminará em dezembro.Todas as alternativas apresentadas até o momento, que incluem a criação e um novo imposto, nos moldes da CPMF e o uso de precatórios e verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), não prosperaram.

Fonte: Metropoles