‘Debocham da própria vida’, diz ACM Neto sobre desrespeito a bloqueio das praias

O prefeito de Salvador ACM Neto (Dem) comentou mais uma vez sobre os banhistas que desrespeitaram as restrições nas praias de Salvador durante o feriadão de 12 de outubro.

“Tivemos problemas na Ribeira, em Piatã, Itapuã e Praia do Flamengo. As pessoas que se comportam dessa maneira não têm nenhum direito de reclamar da prefeitura. Elas debocham da próprias vida delas e também dos oficiais que estavam na operação fazendo com que elas deixassem a praia”, disse o prefeito durante a reconstrução da Escola Municipa l Elisa Saldanha, na Fazenda Grande III.No fim de semana, circularam nas redes sociais diversos vídeos mostrando banhistas em praias fechadas de Salvador. Apesar do desrespeito aos decretos, o prefeito disse não ter arrependimento de ter tomado a medida.
“Não há arrependimento das praias estarem fechadas no feriado. Se não tivéssemos feito essas ações, o cenário seria muito pior. Em outros lugares do país, onde não houve restrição, era um horror. As pessoas se comportavam como se não houvesse pandemia e ninguém tivesse morrido pelo coronavírus”, criticou.

O prefeito também disse que o poder municipal está trabalhando no limite para garantir a fiscalização das praias fechadas.
“Nós faremos o nosso trabalho no nosso limite. Continuaremos fiscalizando, continuaremos cumprindo as ordens e, pelo visto, como parece que faz parte da cultura de algumas pessoas, continuaremos presenciando o desrespeito das pessoas às restrições sanitárias. Pra ter uma fiscalização mais ampla, só com o auxílio da Polícia Militar, mas isso não é da nossa alçada”, pontou.
Para justificar as medidas sanitárias, o prefeito apontou a alta taxa de ocupação nos leitos de UTI na capital baiana. Salvador já registrou, ao menos 87 mil casos da doença, dos quais 1 mil são ativos, segundo a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).
“Hoje, temos 70% dos leitores de UTI pediátrica ocupados na cidade. Todo movimento de aumento de casos representa um alerta para a prefeitura. Houve esse movimento que nos chamou a atenção e vamos aguardar pra ver se o aumento é momentâneo ou se é algo permanente. Mas é claro que tudo isso tem influência direta nas conversas para o retornos às aulas”, disse o prefeito sobre o retorno às aulas.

Fonte: Correio24horas