Ibovespa sobe e chega e superar 98 mil pontos com e-commerce em destaque

Às 11:38, o Ibovespa subia 0,28%, a 97.752,57 pontos (Imagem: B3/Youtube)
O Ibovespa avançava nesta terça-feira, com papéis de varejistas associadas ao e-commerce entre as maiores altas, em meio a um ambiente sem viés claro no exterior, onde a cena corporativa e notícias ligadas à pandemia ocupam as atenções.
Às 11:38, o Ibovespa subia 0,28%, a 97.752,57 pontos. Na máxima até o momento, chegou a 98.135,53 pontos. O volume financeiro era de 6,375 bilhões de reais.
A volta do fim de semana prolongado era marcada por ajustes ao movimento dos ADRs brasileiros na véspera, quando não houve negociação na B3 por feriado no país; e mirando os vencimentos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro na quarta-feira.
Na visão da equipe do BTG Pactual, mesmo com o ano de 2020 já entrando para a história do mercado de capitais por causa do recorde de ofertas de ações, incertezas elevadas devem continuar exercendo pressão nos ativos mais sensíveis.
Em comentário a clientes, porém, a área de gestão de recursos do banco chama a atenção para a safra dos resultados do terceiro trimestre, que pode fazer diferença nos casos em que a companhia apresentar bom desempenho.

CSN deve abrir a temporada brasileira das companhias com papéis no Ibovespa nesta semana, com resultado no dia 15, após o fechamento do mercado.
No exterior, Wall Street mostrava fraqueza após começar a semana mais forte, após notícia de interrupção dos testes da vacina para o Covid-19 que está sendo desenvolvida pela Johnson & Johnson. O S&P 500 cedia 0,29%.
Papéis de tecnologia também ocupavam os holofotes em meio a eventos da Apple e da Amazon.com, assim como do setor bancário, com resultados de JPMorgan e Citi divulgados mais cedo.
“As expectativas são altas, e os participantes do mercado estão claramente apostando na continuidade da recuperação no setor de tecnologia a partir daqui, dando um impulso ao mercado de forma geral”, afirmou Milan Cutkovic, analista na Axi.
Destaques
B2W (BTOW3) avançava 4,46%, com Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3) também entre as maiores altas do Ibovespa, mesmo com o início no país do evento Prime Day, da Amazon.com. Em Nova York, Mercado Livre tinha elevação de 1,51%. No caso do Magazine Luiza, é a última sessão antes do desdobramento de suas ações.

Petrobras (PETR4) subia 0,61%, encontrando suporte na alta dos preços do petróleo no exterior e ajudando a manter o sinal positivo do Ibovespa.
Itaú Unibanco (ITUB4) cedia 0,08%, limitando o fôlego do índice, enquanto Bradesco (BBDC4) mostrava acréscimo de 0,96%, em sessão mista para os papéis de bancos.
Vale (VALE3) oscilava ao redor da estabilidade, com outros papéis do setor de mineração e siderurgia no vermelho. Os futuros do minério de ferro na China recuaram nesta terça-feira, após dados mostrarem um salto nas importações do material utilizado na fabricação do aço.
Embraer (EMBR3) caía 2,39%, entre as maiores quedas do Ibovespa, em meio a ajustes após subir mais de 5% nos últimos dois pregões. Investidores aguardam a divulgação sobre entregas e backlog da fabricante de aviões que costuma sair antes do balanço, que está agendado para 28 de outubro.
Grupo Mateus, que não está no Ibovespa, subia 1,34%, 9,09 reais, em sua estreia na B3, após o grupo varejista precificar seu IPO na última quinta-feira a 8,97 reais por ação, no piso da faixa indicativa, e levantar 4,6 bilhões de reais. Na máxima, o papel chegou a 9,45 reais.

 

Fonte: MoneyTimes