OMS: jovens terão de esperar até 2022 para serem vacinados contra Covid-19

A maior parte da população mundial terá de esperar, provavelmente, até 2022 para ser vacinada contra a Covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).Em uma sessão de perguntas e respostas, nesta quarta-feira (14/10), a cientista-chefe da entidade, Soumya Swaminathan, afirmou que, apesar do rápido avanço no desenvolvimento das candidatas à vacina, não haverá capacidade de produção suficiente para imunizar bilhões de pessoas nos próximos meses.“As pessoas tendem a pensar ‘no dia 1º de janeiro, a gente vai tomar a vacina e aí vai voltar ao normal’. Não vai funcionar assim porque nunca ninguém produziu vacinas neste volume”, destacou Soumya.Mais sobre o assuntoSaúdeRússia registra segunda vacina contra Covid-19, segundo Vladimir PutinO imunizante do Vector Institute foi registrado após estudos preliminares e ainda passará por uma nova fase de testes com 30 mil voluntáriosSaúdeBrasil não terá vacinação em massa contra Covid-19 em 2021, diz vice-diretora da OMSMédica brasileira que acompanha desenvolvimento de vacinas contra o novo vírus afirma que não haverá doses suficientes para toda a populaçãoSaúdeBanco mundial anuncia investimento de US$ 12 bi em vacina contra Covid-19Segundo a instituição, a pandemia do novo coronavírus pode deixar mais de 150 milhões de pessoas na extrema pobreza no mundoSaúdeOMS espera 2 bilhões de vacinas distribuídas até o final de 2021 pelo CovaxO Brasil participa do consórcio internacional capitaneado pela Organização Mundial da SaúdeEm um primeiro momento, serão imunizadas as pessoas mais vulneráveis à infecção provocada pelo novo coronavírus, como os profissionais de saúde no atendimento aos pacientes de Covid-19, os idosos e as pessoas com doenças pré-existentes. Só depois as pessoas mais jovens e em boas condições de saúde serão vacinadas.A esperança é que a taxa de mortalidade da doença e a transmissão do novo coronavírus caiam com a proteção dos grupos vulneráveis. No entanto, as medidas de prevenção não poderão ser descartadas pelas outras pessoas.A diretora técnica da OMS, Maria van Kerkhove, afirmou que os jovens precisam entender porque os idosos serão priorizados.“Não teremos doses suficientes para vacinar os mais vulneráveis em todos os países e isso é muito crítico. As pessoas precisam entender isso individualmente e dizer: ‘eu sou uma pessoa jovem, eu não tenho nenhuma condição pré-existente, então posso esperar meus avós tomarem a vacina”, afirmou Maria van Kerkhove.Para que seja alcançada a imunidade de rebanho contra a Covid-19 e a transmissão seja interrompida, a OMS estima que, pelo menos, 5 bilhões de pessoas precisam ser vacinadas, o equivalente a 70% da população mundial.OxfordCoronavacacPfizerJohnson & JohnsonSputinik VVacina Sinopharm0

Fonte: Metropoles