Rappers de Beyoncé e Rihanna fazem trabalho social no Brasil

God e Gshytt, rappers americanos que já cantaram e dançaram com Beyoncé e Rihanna, estão no Brasil para projetos com artistas brasileiros. Mas, preocupados com a situações de comunidades do país, eles resolveram também fazer trabalhos sociais por aqui. No último Dia das Crianças, os dois apareceram de surpresa e doaram roupas, brinquedos e alimentos para uma comunidade em São Paulo.“Nós entendemos as crianças nas favelas porque cresci em condições semelhantes. Frequentemente, as pessoas nessas áreas se sentem negligenciadas como se não tivessem importância ou não tivessem nenhum valor ou valor. Mas eu acredito que as favelas são de onde os maiores talentos do país surgiram e surgirão porque a adversidade os torna mais fortes quando eles saem. No entanto, sou realista e entendo que poucas pessoas têm a oportunidade de mudar suas vidas e suas famílias, uma vez que cresceram em ambientes tão desafiadores”, contou God.rappers4God e Gshytt, rappers americanos que ja cantaram e dançaram com Beyoncé e Rihanna, estão no Brasil para projetos com cantores brasileirosDivulgaçãorappers3Mas decidiram ajuda a quem precisaDivulgaçãorappers2E distribuíram alimentos para crianças DivulgaçãorappersBoas ações são sempre necessárias!Divulgação0Gshytt reforçou o coro da solidariedade: “O maior ato humano é inspirar e essa é a única razão pela qual decidimos distribuir as bandanas e os doces para as crianças. Mesmo que seja apenas uma criança, queremos despertar essa curiosidade e dar esperança às suas vidas. Também somos homens negros e conhecemos a perspectiva geral da maioria que é divulgada na mídia. Portanto, é muito importante para as pessoas que se parecem conosco ver que sim, nós nos apoiamos. Nunca queremos chegar a nenhum nível de sucesso e esquecer o ambiente que me fez ser quem sou hoje. Falta de amor, educação cuidadosa, direção geral e organização, não importa em que país do planeta, os resultados geralmente parecem iguais e isso é incolor. As pessoas nos abraçam, nós as abraçamos é simples. Respeite-nos algo pelo qual você não pode pagar. Os rostos sorridentes das crianças e das pessoas da comunidade não têm preço”.

Fonte: Metropoles