Piscinão de Ramos se prepara para o seu 19º aniversário mais relevante do que nunca

Foi no longínquo ano de 2001 que o Piscinão de Ramos , localizado no Complexo da Maré, recebeu os seus primeiros banhistas. De lá para cá, passaram-se quase 19 anos e a praia artificial ainda é mais relevante do que nunca na vida da população carioca.Além de ser uma opção de entretenimento para as mais de 140 mil pessoas que moram no Complexo da Maré, o Piscinão é ainda uma fonte de renda para a região, já que dita tendências culturais na vida carioca. Tudo isso, enquanto ainda mantém um impacto ambiental muito positivo para o Rio de Janeiro.O entretenimento é a vertente mais evidente e óbvia que se pode enxergar na relevância do Piscinão nos últimos anos. A praia artificial recebe milhares de visitantes todos os finais de semana, exceto quando está fechada para manutenção e cuidados com a sua água.Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o Piscinão esteve fechado para manutenção, e a população do Complexo da Maré sentiu bastante a falta que a praia artificial faz nos seus finais de semana. Sem a possibilidade de frequentar o Piscinão desde que o governo local permitiu a ida às praias, as pessoas sentem falta da oportunidade de lazer que ele proporciona.Quem também sente a mesma falta são os comerciantes locais. Afinal, para muitos deles, o Piscinão de Ramos é uma fonte de renda e de sobrevivência. Como a praia artificial recebe milhares de pessoas todos os finais de semana, abrir um comércio por perto para vender bebidas, protetor solar, aperitivos e outros itens em alta demanda é uma excelente ideia de negócio.Como o Piscinão esteve em manutenção, os comerciantes sentiram a ausência do público e sofreram com a queda brusca de faturamento. Para muitos, o risco de ter que fechar o negócio foi mais real do que nunca.No entanto, o Piscinão de Ramos já pode receber a população, que certamente já vai se aventurar por lá. Além do retorno da atividade financeira nos arredores da praia artificial, a expectativa é que volte também o impacto cultural causado pelo Piscinão.Nos últimos anos, as atividades de verão no Piscinão foram responsáveis por algumas das principais tendências cariocas. Isso vale, desde as músicas mais tocadas nas playlists de verão até o famoso biquíni de fita adesiva, que ganhou o Brasil no clipe da música Malandra da cantora Anitta, mas que já era moda no Piscinão há algum tempo.No último verão, a grande moda por lá foi o uso de fitas isolantes coloridas em tons neons para a confecção dos biquínis. Mais do que apenas isso, os modelos criados no Piscinão cresceram em nível de complexidade. Eles já usam várias cores diferentes, contam com padronagens específicas e até mesmo são feitos seguindo modelos de biquínis de tecido.Esse foi apenas um dos produtos culturais naturais do Piscinão de Ramos, que acabou ganhando o Brasil posteriormente. Resta saber qual será a grande tendência criativa que nascerá por lá no verão deste ano e que será “exportada” para o restante do país pouco depois.Também é importante mencionar o impacto ambiental que o Piscinão de Ramos causa no Rio de Janeiro, especificamente na Baía de Guanabara. O impacto é extremamente positivo pois o Piscinão faz parte do projeto de despoluição da Baía.A presença do Piscinão no Complexo da Maré faz com que a água da Baía de Guanabara fique mais limpa. Isso é alcançado por intermédio do complexo trabalho de filtragem por flotação utilizado no Piscinão.Inicialmente, a água que está no Piscinão é puxada da Baía de Guanabara. No entanto, como já vem contaminada, ela é filtrada por um sistema inovador criado exclusivamente para o projeto.O sistema de filtragem do Piscinão de Ramos é capaz de tratar 100 litros de água por segundo por meio de flotação, que é um processo extremamente eficiente, mas também muito barato. Depois de tratada, a água recebe cloro e é jogada no Piscinão, para ser usada pela população. De acordo com a empresa responsável pelo projeto, é a água mais limpa dentre todas as praias do Rio de Janeiro.Depois de ficar no Piscinão por um determinado tempo, a água passa novamente por um processo de filtragem, inicialmente sendo introduzida em um tanque de contato onde o cloro é evaporado e, em seguida, sendo limpa e retornando para a Baía de Guanabara sem poluição ou sujeiras.Dessa forma, o Piscinão de Ramos se torna um projeto importantíssimo e muito relevante para a vida das pessoas na cidade do Rio de Janeiro. Além de ser uma das mais importantes opções de entretenimento para quem mora no Complexo da Maré, é também um elemento que dita tendências para o ambiente cultural local, que movimenta a economia da região e ainda tem um impacto ambiental muito positivo.Em dezembro, o Piscinão de Ramos completa o seu 19º aniversário, tornando-se mais relevante do que nunca e com a perspectiva de continuar servindo a população por muitas outras décadas.Website: https://piscinaoderamos.com/

Fonte: Metropoles