Boeing cortará mais 7 mil vagas em nova realidade do mercado

A empresa tinha 160.000 funcionários no início do ano, antes que a pandemia de coronavírus interrompesse as viagens aéreas e as vendas de aviões (Imagem: REUTERS/Karen Ducey)
A Boeing está aprofundando os cortes de empregos já que a pandemia global e o prolongamento da retenção do jato 737 Max espremem as finanças da fabricante de aviões.
Mais 7.000 empregos devem ser eliminados até o final do próximo ano, trazendo a redução total da força de trabalho feita por meio de aposentadorias e demissões para 30.000 pessoas, disse a Boeing em e-mail na quarta-feira após divulgação do balanço.
A empresa tinha 160.000 funcionários no início do ano, antes que a pandemia de coronavírus interrompesse as viagens aéreas e as vendas de aviões.
“Estamos nos alinhando a esta nova realidade gerenciando de perto nossa liquidez e transformando nossa empresa para ser mais resiliente e sustentável no longo prazo”, disse o CEO Dave Calhoun em comunicado.
Antes uma prodigiosa geradora de caixa, a Boeing agora monitora cuidadosamente sua liquidez e dívidas crescentes enquanto navega por uma queda sem precedentes nas viagens aéreas e trabalha com os reguladores para retirar o Max do solo.

A Boeing queimou cerca de US$ 22 bilhões em caixa livre desde março de 2019, quando os reguladores interromperam as operações com seu jato mais vendido após dois acidentes fatais.

 

Fonte: MoneyTimes